Osvaldo Cruz, Sexta, 25 de Julho de 2014

publicado em: 12/09/2012 às 18h08:

Osvaldo Cruz registra 5º caso de leishmaniose em humanos

Cidade soma 37 casos positivos e cinco mortes pela doença desde 2007

Daniel Torres (MTb.: 51.540/SP) - Assessoria de Imprensa

Tamanho da letra A- A+

 
cfaabc8d650ced630a041074aacc2442.jpg

O Departamento de Vigilância Epidemiológica de Osvaldo Cruz confirmou na semana passada o quinto caso de Leishmaniose Visceral Americana (LVA) do ano em humanos na cidade.

O município soma 37 casos da doença, dentre elas cinco mortes, desde 2007.

“Vale lembrar que os sintomas da leishmaniose em humanos são febre por mais de dez dias, dor abdominal, perda do apetite, perda de peso, cansaço e palidez. Na ocorrência de febre, procure um médico, não se automedique, pois poderá mascarar os sintomas e o quadro pode agravar. Essa doença, se a procura for tardia, leva a óbito”, alertou Tânia Midori Matsura, enfermeira responsável pela Vigilância Epidemiológica local.

O Departamento já iniciou a quarta etapa do inquérito canino, que visa identificar cães portadores de leishmaniose e retirá-los da área urbana, prevenindo novos contágios em animais sadios e, consequentemente, em humanos.

A Vigilância Epidemiológica aponta ainda que após o início desse trabalho, Osvaldo Cruz registrou diminuição dos casos, porém a recusa na retirada do cão positivo tem contribuído para um novo aumento do registro em humanos.

Atualmente, o Ministério da Saúde proíbe o tratamento de cães com leishmaniose com medicamentos para uso humano e determina o sacrifício desses animais. “Em razão disso e devido à íntima relação do cão com seus proprietários, manter um animal infectado em áreas receptivas para o vetor é um risco principalmente para crianças, idosos e pessoas imunocomprometidas”, disparou Tânia.

A doença

A leishmaniose é transmitida ao cão pela picada de um mosquito palha, birigui ou cangalhinha, infectado com o protozoário do gênero Leishmania. Diferente de outros mosquitos, o birigui não necessita de água parada para o desenvolvimento de suas formas larvárias, dificultando o seu controle e, consequentemente, favorecendo a transmissão da doença. Após a picada, o protozoário atinge a circulação sanguínea do cão e invade as células, iniciando sua replicação.

A partir do momento em que o cão possui a Leishmania em sua corrente sanguínea, passa a ser fonte de infecção para os mosquitos que, por sua vez, podem contaminar outros cães e os seres humanos.

No cão, os sintomas são bastante variáveis. São comumente observadas lesões de pele, acompanhadas de descamações e, às vezes, úlceras, além de depressão, apetite diminuído e perda de peso. Alguns cães apresentam um crescimento exagerado das unhas e também dificuldade de locomoção. Em um estágio mais avançado, há o comprometimento do fígado, baço e rins, podendo levar o animal à morte.

“Para prevenir a leishmaniose é fundamental que a população mantenha os quintais livres de criadouros do inseto transmissor da doença”, concluiu a enfermeira.

Crédito da foto: Divulgação
  • Nenhum registro encontrado
Dê sua opinião!

 

 

 
Carregando
 
 
 
 
 

Prefeitura de Osvaldo Cruz

Praça Hermínio Elorza, nº448, CEP: 17700-000 - Telefone: (18) 3528-9500

Todos os direitos reservados