Osvaldo Cruz, Sábado, 19 de Janeiro de 2019

Sua Opinião?

Qual o maior desafio da nova administração?

publicado em: 28/10/2014 às 15h20:

Prefeitura recupera animais furtados do canil e sacrifica dois com leishmaniose

Fato virou caso de Polícia. Voluntários de uma ONG defendem que há cura para doença

Jornal Cidade Aberta

Tamanho da letra A- A+

 

A Prefeitura de Osvaldo Cruz recuperou, na última sexta-feira, 10, dois, dos três, cachorros furtados do canil municipal no dia 1º deste mês. Os animais estavam em uma casa utilizada pela Sociedade Protetora dos Animais no cruzamento da avenida Max Wirth com a rua Kiefer.

Os animais furtados estavam, segundo o departamento de Vigilância Epidemiológica, contaminados com leishmaniose e tinha autorização dos proprietários para serem eutanasiados.

O terceiro cachorro contaminado, e que teria sido furtado do canil, foi devolvido para o dono.

Caso de Polícia

O furto dos animais virou caso de Polícia, uma vez que a Prefeitura comunicou o fato à Polícia Civil.

Na sexta-feira passada, a Polícia Militar foi chamada até a casa onde os animais retirados do canil estavam mantidos e precisou conter os ânimos de voluntários que trabalham com a proteção dos animais que estavam inconformados com a retirada dos cachorros.

Procurados, os médicos veterinários da Prefeitura de Osvaldo Cruz, Marcelo Candido da Silva e Marcelo Gomes Morelli, enviaram nota onde afirmam que o recolhimento dos animais contaminados, da casa usada pela Sociedade Protetora dos Animais, aconteceu após reunião junto ao Ministério Público.

Ainda de acordo com a declaração dos veterinários, a casa que servia de abrigo para os animais não reunia boas condições.

“Fomos a essa casa que não é habitada e encontra-se abandonada e insalubre (sem água e esgoto), cujas condições são prejudiciais à saúde e provocar doenças. Por isso recolhemos os dois cães”, afirmam os médicos.

Além disso, os veterinários da Prefeitura citaram uma decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF 3) que declarou a nulidade da Portaria interministerial dos ministérios da Saúde e Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Portaria n° 1.426/2008, que proíbe o tratamento de cães com Leishmaniose Visceral Canina por meio de produtos de uso humano ou de medicamentos não registrados pelo Mapa.

O esclarecimento feito pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) garante que “o tratamento da Leishmaniose Visceral em animais oferece risco à saúde da população; O tratamento não promove a cura da doença e o animal contaminado continua sendo hospedeiro e fonte de contaminação por meio do mosquito transmissor”.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), somente a adoção de medidas integradas, como o uso de inseticidas e a eutanásia dos cães contaminados, é que poderá garantir a segurança da população e da saúde humana.

“Portanto, até que a cura para a doença seja cientificamente comprovada, o posicionamento institucional do CFMV e dos Conselhos Regionais é pelo não tratamento da doença, garantindo assim a segurança e proteção à saúde pública, em conformidade com a legislação federal, Decreto n° 51.838/1963, código penal e recomendações sanitárias”, finaliza a resolução.

Números em Osvaldo Cruz

Desde 2007, quando foi diagnosticado o primeiro caso da doença em seres humanos, já houve 49 casos na cidade (em pessoas) dos quais 5 (cinco) pessoas morreram. Em 2014 já são quatro casos em seres humanos.

  • Nenhum registro encontrado
Dê sua opinião!

 

 

 
Carregando
 
 
 
 
 

Prefeitura de Osvaldo Cruz

Praça Hermínio Elorza, nº448, CEP: 17700-000 - Telefone: (18) 3528-9500

Todos os direitos reservados